Atores da sociedade civil recebem formação em monitoramento de políticas públicas

dscn5068Mais de 30 pessoas de diferentes organizações da sociedade civil encontram-se reunidos, em Bissau, numa ação de formação sobre o monitoramento de políticas públicas.

O seminário, que decorre entre os dias 19 e 22 deste mês, é promovido pelo Movimento Nacional da Sociedade Civil para a Paz, Democracia e Desenvolvimento (MNSCPDD), em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

O objetivo do encontro é, segundo o presidente do MNSCPDD, dotar os participantes de ferramentas para que, futuramente, possam monitorar as atividades governativas do país, nomeadamente nas três áreas escolhidas para esta formação: saúde, infraestruturas e agricultura.

Em entrevista exclusiva ao “Nô Pintcha”, Jorge Gomes realçou que várias promessas são feitas pelos sucessivos governos mas que a sua maioria não são cumpridas no fim dos mandatos, devido a falta de acompanhamento.

Por se tratar de fundos públicos, provenientes de impostos pagos pelos guineenses, o dirigente considera que todos os cidadãos nacionais têm o direito de saber como é gasto o dinheiro que pagam.

Conforme disse o presidente do movimento, em caso do não cumprimento das promessas eleitorais, por parte dos políticos, a sociedade civil terá como arma a divulgação dos compromissos assumidos para com o povo.

Mesmo em caso de algumas realizações, Jorge Gomes garantiu que a sua organização poderá verificar se forem feitas conforme o previsto ou não.

Neste sentido, ele apontou o exemplo de certas obras levadas a cabo no país que não tiveram fiscalização, pelo que ninguém sabe da garantia de vida das mesmas. “E quem perde com tudo isso é o povo guineense, sobretudo a camada mais vulnerável”, disse.

O presidente do MNSCPDD lamentou o facto de algumas organizações convidadas não marcarem presença no seminário, caso por exemplo o Ministério das Obras Públicas, cujo ministro cessante tinha prometido mandar técnicos a essa formação, os quais poderiam ser muito úteis.dscn5069

Por outro lado, Jorge Gomes aproveitou a ocasião para pedir aos políticos a “ter pena da população guineense, porque o povo já está cansado”. Ele indicou que em quase dois anos e meio, a Guiné-Bissau conheceu cinco governos, o que em nada ajuda o país, mesmo em termos de parcerias com a comunidade internacional.

“Que os políticos pensem no país, em primeiro lugar, para que possamos sair da situação em que nos encontramos há mais de dois anos”, rematou aquele responsável da sociedade civil.

De referir que, no quadro da realização desta ação de formação, o PNUD contratou especialistas brasileiras para ministrar este curso de quatro dias.

Texto e fotos: Ibraima Sori Baldé

Print Friendly
Siga nos nas redes socias:
partilhar isso?

Deixar uma resposta

Todos direitos reservado JORNAL NOPINTCHA 2016