“A igualdade do Género só existirá se governantes reconhecem mulheres como promotores do progresso”

O representante do ministro da Função Publica (FP) afirmou hoje que a igualdade de género só pode funcionar quando os governantes reconhecerem que as mulheres são promotores do desenvolvimento de um país.

Ilídio Vieira falava na cerimónia de abertura do workshop de reflexão sobre o Trabalho no Mundo Laboral para Autonomização Económica da Mulher no Mundo em Evolução, organizado pela União Nacional dos Trabalhadores da Guiné-Bissau (UNTG).

“A luta pela oportunidade deve ser um processo contínuo de mulheres, porque não basta dizer que temos o mesmo direito, mas sim mostrar, na prática, que realmente são capazes de fazer algo para a promoção do desenvolvimento”, alertou.

Ilídio Vieira disse que, na realidade, as mulheres são ignoradas por vezes e que para inverter essa situação vai ser necessário bastante trabalho por parte das mesmas, acrescentando que os governantes devem ter em mente que elas podem contribuir para a promoção de um país.

Por sua vez, o secretário-geral adjunto da UNTG disse que, em termos do direito positivado, não faltam consagrações dos direitos e liberdade às mulheres, tanto a nível das convenções internacionais ratificadas assim como no âmbito da Constituição da República e demais leis ordinárias.

“O momento atual para nós é de ação e concretização dos objetivos que nortearam a criação do movimento sindical guineense, inclusive a Rede Nacional das Mulheres Trabalhadoras”, afirmou Pedro de Carvalho.

Aconselhou as mulheres a estruturarem da melhor forma possível as suas ações, de modo a poderem exercer os seus direitos e, principalmente, alcançar os objetivos esperados.

Pedro de Carvalho sublinhou que apesar das conquistas que as mulheres já conseguiram na sociedade, ainda falta muito trabalho para conquistar os seus direitos e que, por isso, será necessário o esforço de todas.

No referido workshop serão desenvolvidos os temas : direito à greve, constituição da organização internacional do trabalho (OIT), convenções fundamentais da OIT e papel do estado face ao trabalho docente de equidade do género.

 

Print Friendly
Siga nos nas redes socias:
partilhar isso?

Deixar uma resposta

Todos direitos reservado JORNAL NOPINTCHA 2016